Sobre o artista

Embora Jan Bouman (1945) pinte de maneira precisa e nítida, ele não se esforça para imitar a realidade. É a cor e o desenho de suas telas que servem como o ponto focal de seu trabalho, e as figuras e temas nas pinturas são de interesse subordinado. A natureza serve de ponto de partida nos projetos de Jan Bouman, embora eles não sejam acadêmicos. A composição é uma mistura entre seu olho natural e artificial. Ele distorce as proporções das figuras que representa, expandindo ou comprimindo-as. Essas distorções representam o desequilíbrio entre o mundo artificial e o natural. Em essência, o mesmo ato de equilíbrio é obtido por meio do uso da cor. Aqui, o visível também é usado apenas como ponto de partida. Um uso autônomo da cor serve para criar o clima do todo e a plasticidade do design, mas em menor medida serve à expressão da matéria. As suas figuras, objetos, paisagens e interiores que molda com a ajuda de esboços detalhados, são, na verdade, construções que revelam o produto da sua memória visual e dos seus desafios. As criações são alimentadas pela realidade, mas totalmente inventadas.